quinta-feira, 25 de maio de 2017

EFEMÉRIDES do dia 25 de maio



Dia Internacional das Crianças Desaparecidas, Dia de África, Dia Mundial da Tiroide, Dia Mundial do Sapateado e Dia da Região Autónoma dos Açores

De entre os santos consagrados a este dia, destaque para São Gregório VII (Sovana, Toscana, Itália, 1020/1025 - Salerno, Itália, 25 de maio de 1085). De seu nome Hildebrando de Soana, filho de famílias humildes, cresceu no ambiente da Igreja romana ao ser confiado a um seu tio, abade do mosteiro de Santa Maria em Aventino, onde fez os votos monásticos. Pertencia assim à Ordem Beneditina. Em 1045 Hildebrando foi nomeado secretário do papa Gregório VI, cargo que ocuparia até 1046 quando acompanhou esse papa para o seu desterro em Colónia depois de ser deposto num concílio, celebrado em Sutri, e acusado de simonia na sua eleição. Após ter colaborado com os papas São Leão IX, que o nomeou abade de São Paulo, e Alexandre II, foi proclamado papa pelo povo. Era o dia 22 de abril de 1073. Oito dias depois os cardeais confirmaram a eleição, que ele aceitou com "muita dor, gemido e pranto." Feito papa com o nome de Gregório VII, realizou com muita coragem o programa de reformas, que ele mesmo já havia planeado como colaborador de seus predecessores, a luta contra a simonia e contra a intromissão do poder civil na nomeação dos bispos, dos abades e dos próprios pontífices, assim como a restauração de uma severa disciplina para o celibato. Encontrou violentas resistências também da parte do clero. Em 1076 teve de enfrentar o duro desentendimento com o imperador Henrique IV, que se humilhou em Canossa mas, logo depois, retomou as rédeas do império, vingou-se com a eleição de um antipapa e marchou contra Roma. Gregório VII, abandonado pelos próprios cardeais, refugiou-se no Castelo Santo Ângelo, de onde foi libertado pelo duque normando Roberto de Guiscardo. O papa foi depois, em exílio voluntário, para Salermo, e aí morreu abandonado pelos seus apoiantes, um ano depois, pronunciando a célebre sentença: "Amei a justiça e odiei a iniquidade, por isso morro no exílio." O seu corpo foi sepultado na catedral de Salermo e foi canonizado em 1606. É comemorado o dia de São Gregório VII no dia da sua morte.
 
 
 
 
 
 
 

Em Portugal

 

1420 - O Infante D. Henrique é designado governador da Ordem de Cristo. Será ele o primeiro, depois de Gualdim Pais, a renovar todo o complexo do Convento de Cristo, entre outras grandes obras na cidade de Tomar. Os ideais da expansão cristã reacenderam-se no século XV quando o seu Grão-Mestre, Infante D. Henrique, investiu os rendimentos da Ordem na exploração marítima. O emblema da ordem, a Cruz da Ordem de Cristo, adornava por isso as velas das caravelas que exploravam os mares desconhecidos.
 
 

1625 - Isabel de Aragão é canonizada pelo papa Urbano VIII, dada a incorrupção do seu corpo e o relato dos seus milagres, o mais conhecido, "o milagre das rosas". É canonizada como Rainha Santa Isabel.
 
1786 - Morre o rei D. Pedro III de Portugal (Lisboa, Portugal, 5 de julho de 1717 – Queluz, Portugal, 25 de maio de 1786), aos 69 anos. Foi o rei consorte de Portugal e dos Algarves concedido pela sua esposa a rainha D. Maria I, de 1777 até há data da sua morte. Era filho do rei D. João V e de sua esposa a arquiduquesa Maria Ana da Áustria, sendo assim irmão mais novo do rei D. José I, sendo portanto tio da esposa a rainha D. Maria I. Foi apelidado de "O Capacidónio", "O Sacristão" e "O Edificador". D. Pedro III nunca participou na política e sempre deixou os assuntos de governo para sua esposa.



1884 - Em Portugal, a Lei Barjona de Freitas estabelece o princípio da representatividade parlamentar, de acordo com a proporção de votos de cada força política.

1911 - O Governo da I República cria a Direcção-Geral da Assistência.

1911 - É fundado o Instituto Militar dos Pupilos do Exército (IPE) em Lisboa. Foi criado como Instituto Profissional dos Pupilos do Exército de Terra e Mar por iniciativa do General António Xavier Correia Barreto, ao tempo Ministro da Guerra. A Primeira Secção do IPE está situada na Travessa de São Domingos de Benfica, em espaços que fizeram parte do Convento de São Domingos e onde, outrora, se ergueu o Paço Real de Benfica. Estabelecimento militar de ensino em que é ministrado o Ensino Básico (2.º e 3.º ciclos) e o Ensino Secundário, a par de actividades militares, físicas e culturais.
 

 
1938 - O engenheiro Duarte Pacheco é nomeado ministro das Obras Públicas.

1955 - Greves de pescadores em Setúbal, Matosinhos, Afurada, Sesimbra e Olhão, por condições de trabalho.

1962 - Morre Júlio Dantas (Lagos, Portugal, 19 de maio de 1876 - Lisboa, Portugal, 25 de maio de 1962), aos 86 anos. Foi médico, escritor, político, e diplomata, português que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX. Na sua actividade intelectual foi um polígrafo, cultivando os mais variados géneros literários, da poesia ao romance e ao jornalismo, mas foi como dramaturgo que ficou mais conhecido, em particular pela sua peça "A Ceia dos Cardeais" (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre. Outras peças da sua autoria se distinguiram como "A Severa" (1900), "Rosas de Todo o Ano" (1907), "Soror Mariana" (1915) entre muitas outras obras. Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1921-1922 e 1923), terminando a sua carreira pública como embaixador de Portugal no Brasil (1941-1949). Considerado retrógrado por alguns intelectuais coevos, como foi o caso de Almada Negreiros, que escreveu o Manifesto Anti-Dantas, muito polémico, conseguiu granjear durante a vida grande prestígio social e literário, prestígio que decaiu após a sua morte. Foi eleito sócio da Academia de Ciências de Lisboa em 1908, instituição a que presidiu a partir de 1922.



1975 - Os trabalhadores da Rádio Renascença, propriedade do Episcopado, ocupam as instalações.

1992 - A escritora portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen vence o Prémio de Literatura para crianças da Fundação Gulbenkian.

1993 - Morre Francisco José Carneiro de Sousa Tavares (Lisboa, Portugal, 12 de junho de 1920 - Lisboa, Portugal, 25 de maio de 1993), aos 72 anos. Foi um reconhecido advogado e jornalista português, resistente ao regime fascista, antigo deputado, ministro da Qualidade de Vida no Governo do Bloco Central.

2004 - A Bombardier, antiga Sorefame, única fábrica de comboios em Portugal, cessa a produção da fábrica na Amadora.
 


2006 - O Parlamento aprova a Lei de Procriação Medicamente Assistida.
 
2006 - O Governo aprova a revisão da Lei da Programação militar e o regime legal para a concessão e emissão do passaporte eletrónico português.

2006 - É criado o Centro de Atendimento Telefónico da Saúde que pretende aconselhar os utentes e identificar os casos urgentes, direccionando-os depois para os hospitais. Entrará em funcionamento em janeiro de 2007.
 


2007 - A revista Folhas de Poesia, que surgiu em 1957 e foi publicada até 1959, é relançada, na Casa Fernando Pessoa, no âmbito de uma homenagem à poetisa Fiama Hasse Pais Brandão.

2008 - A portuguesa Vanessa Fernandes, campeã do Mundo e recém-sagrada pentacampeã da Europa, bate, em Madrid, o recorde de vitórias em etapas da Taça do Mundo de triatlo, atingindo o 20.º triunfo.

2011 - O Presidente da República, Cavaco Silva, exerce pela primeira vez o direito de veto no seu segundo mandato, devolvendo à Assembleia da República o diploma relativo ao regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos.
 
 
 
2012 - Morre João Sá Coutinho Rebelo de Soto Maior (Ponte de Lima, Portugal, 8 de outubro de 1929 - Ponte de Lima, Portugal, 25 de maio de 2012), aos 82 anos. Foi advogado e já como diplomata foi o primeiro embaixador de Portugal nas ex-colónias africanas. Primeiro na Guiné-Bissau, em 1974, onde acumulou o cargo com o de Embaixador também em Dakar, na Mauritânia, em Cabo Verde e na República Popular do Congo, passando depois para Angola em 1977. Como Embaixador em Madrid, foi ele que convenceu, ao longo de várias horas de negociações pela noite dentro, Rui Rodrigues a sair do avião que tinha desviado de Lisboa para Barajas em maio de 1980. Acabaria a carreira como Embaixador junto da Santa Sé, ainda no tempo de João Paulo II. Foi o 4º conde D'Aurora.

2013 - Milhares de manifestantes concentram-se junto ao palco montado pela CGTP em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Belém, gritando palavras de ordem contra o Governo e o Presidente da República.

2014 - Em Portugal, os resultados indicam oito deputados (31,47%) para o PS, sete (27,71%) para a Aliança Portugal (PSD/CDS-PP), três (12,67%) para a CDU (PCP-PEV), dois (7,14%) para o Partido da Terra (MPT) e um (4,56%) para a Bloco de Esquerda.

 
 
 
 
 
 
 
 
 

No Mundo

 
1521 - É assinado em Worms na Alemanha, o denominado Édito de Worms, um decreto do imperador romano Carlos V que proibiu os escritos de Martinho Lutero e rotulou-o como inimigo do Estado. Este decreto pôs fim a uma constante luta entre Martinho Lutero e a Igreja Católica Romana sobre a reforma, especialmente no âmbito da venda de indulgências.
 
 

1810 - Fim da revolta argentina contra Espanha. A Revolução de Maio como ficou conhecida, foram uma série de eventos que ocorreram entre 18 e 25 de maio de 1810 na cidade de Buenos Aires, capital do Vice-Reino do Rio da Prata. Esta revolução deu início à Guerra da Independência da Argentina, apesar de nenhuma declaração formal de independência ter sido emitida na época e da Primeira Junta ter continuado a governar em nome do deposto Fernando VII.

1887 - Há 130 anos nascia Francesco Forgione, conhecido como padre Pio (Pietrelcina, Itália, 25 de maio de 1887 - San Giovanni Rotondo, Itália, 23 de setembro de 1968). Virá a ser um frade e sacerdote católico italiano, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, foi, ainda em vida, alvo de uma veneração popular de grandes proporções, principalmente pelos carismas e dons espirituais, como o dom da bilocação, da levitação, das curas milagrosas, dos perfumes que exalava, entre outros. Foi canonizado em 16 de junho de 2002, proclamado na Praça de São Pedro pelo pontífice papa João Paulo II como São Pio de Pietrelcina.



1895 - O escritor de origem irlandesa Oscar Wilde é condenado a prisão, por danos morais, em Londres.
 
1914 - A Câmara dos Comuns, em Londres, vota a Lei da Autonomia Administrativa da Irlanda.

1921 - Nasce Hans Jakob Steinberger, mais conhecido por Jack Steinberger (Bad Kissingen, Alemanha, 25 de maio de 1921) é um físico norte americano nascido na Alemanha. Recebeu o Nobel de Física de 1988, juntamente com Leon Max Lederman e Melvin Schwartz, por terem desenvolvido um método para produzir feixes de neutrinos, o que levou à descoberta de uma segunda espécie dessa partícula: o neutrino do múon. Essas experiências foram realizados na Universidade de Columbia no início da década de 1960. Em 1968 transferiu-se para o CERN, onde trabalhou em inúmeras experiências sobre neutrinos. Está hoje de parabéns completando 96 anos.



1940 - Durante a Segunda Guerra Mundial tem início da Batalha de Dunquerque. Nesta batalha, uma enorme força britânica e francesa ficou encurralada por uma divisão panzer alemã a nordeste da França e entre o canal costeiro de Calais. Mais de 300 000 soldados aliados foram evacuados por via marítima. Este batalha terminou em 4 de junho de 1940.

1961 - O presidente norte americano John Fitzgerald Kennedy anuncia num discurso na Universidade de Rice as intenções dos Estados Unidos enviarem homens à Lua antes do final da década.



1963 - É constituída a Organização de Unidade Africana (OUA), em Adis Abeba, Etiópia.

1974 - Começam as conversações entre o Governo português e o PAIGC para o reconhecimento da independência da Guiné-Bissau, proclamada em 1973.

1977 - Há 40 anos estreia nos cinemas dos EUA o primeiro filme da série de George Lucas "Star Wars Episode IV: A New Hope".



1985 - Realiza-se em Alcântara, Espanha, a cimeira informal dos primeiros-ministros de Portugal, Mário Soares, e de Espanha, Felipe González.

1989 - Mikhail Gorbachev é reeleito Presidente da União Soviética, com 95,6 por cento dos votos do Congresso.

 
 
1991 - Saem de Angola os últimos 1910 soldados cubanos do contingente inicial de 50 mil.

1992 - O Presidente do Brasil Fernando Collor de Melo é acusado de consumo de estupefacientes, negócios ilícitos e tráfico de influências.

1999 - A NATO duplica o número das forças presentes no Kosovo.

 
 
2003 - Israel aprova o Roteiro para a Paz, proposto pela União Europeia, os EUA, a Rússia e a ONU, que prevê a criação do Estado palestiniano até 2005.

2003 - A Palma de Ouro do Festival de Cannes é atribuída ao filme "Elephant", de Gus Van Sant.

2004 - É criado o Conselho de Paz e Segurança da União Africana, em Addis Abeba.

 
 
2005 - O Liverpool vence a Liga dos Campeões em futebol.

2006 - Timor-Leste. Confrontos entre as forças armadas e efectivos da polícia causam dez mortos e 27 feridos. Xanana Gusmão assume o controlo das forças de segurança, retirando as competências ao governo de Mari Alakatiri.

2007 - O projecto de integração de uma nova ala na Pallant House Gallery para albergar uma das melhores colecções de arte britânica do século XX vence o Gulbenkian Prize for Museums and Galleries 2007.



2012 - Morre Edoardo Mangiarotti (Renate, Itália, 7 de abril de 1919 - Milão, Itália, 25 de maio de 2012), aos 93 anos. Foi um esgrimista olímpico italiano e considerado um dos maiores nomes da esgrima mundial. Com um total de 39 medalhas em campeonatos mundiais e olimpíadas. Foi porta-bandeira italiano em Olimpíadas em 2 oportunidades: Olimpíadas de Melbourne-56 e Roma-60.
 
2014 - Eleições europeias. O Partido Popular Europeu (PPE), família política que integra PSD e CDS-PP, mantém-se como a principal família política do Parlamento Europeu, com 211 assentos, seguido dos Socialistas, com 193 lugares.

2014 - Morre Wojciech Witold Jaruzelski (Kurów, Polónia, 6 de julho de 1923 - Varsóvia, Polónia, 25 de maio de 2014), aos 91 anos. Foi um político e militar comunista da Polônia. Ocupou os cargos de primeiro-ministro (1981-1985), chefe do conselho de estado (1985-1989) e presidente da Polônia (1989-1990), tendo sido o último Presidente comunista da Polónia.
 
 
 
2014 - Eleições presidenciais na Ucrânia com uma vitória clara de Petro Poroshenko. O "rei do chocolate", como é conhecido devido à fortuna que amealhou no ramo dos doces, torna-se assim no primeiro Presidente eleito após a deposição de Viktor Ianukovich, em Fevereiro.
2014 - Em Macau, milhares de pessoas saem à rua contra a proposta de lei de garantias dadas aos titulares dos principais cargos políticos, um protesto cujos organizadores dizem ser o maior desde a transferência da administração em 1999.

2014 - O partido grego anti austeridade Syriza, vence as eleições europeias (26,58%) e pela primeira vez na sua história garante o primeiro lugar em diversas regiões nas eleições locais incluindo na Ática, a maior região da Grécia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Texto:
Paulo Nogueira
 

 

sábado, 13 de maio de 2017

NOSSA SENHORA DE FÁTIMA



                               CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES/VISÕES
                                                        1917 – 2017





 

A questão das aparições/visões de Fátima é sem dúvida, um dos temas talvez mais delicados e controversos de abordar. Uma vez mais e à semelhança de outros artigos anteriores, apenas pretendo relatar os factos ocorridos antes, durante e após 1917, respeitando as partes e sem tomar partido ou opção. Muitos historiadores e investigadores do tema, são cépticos quanto a esta questão, afirmando alguns que a ciência nunca se dedicou concretamente ao estudo destes fenómenos, chegando outros a afirmar que estaríamos perante um caso de eventual fenómeno OVNI ou até ao de aproveitamento dos factos por parte da Igreja, chegando muitos a sugerir que possa ter sido um jogo por parte da Igreja para atingir objectivos anti republicanos daquele período da história de Portugal. Trata-se pois de uma questão em que muitos crêem e outros não, uns concordam com alguns factos ocorridos, outros discordam, não deixando por isso de ser uma questão bastante delicada. De recordar que estes acontecimentos ocorrem num período muito conturbado da história de Portugal e do mundo, em que se estava no terceiro ano da Primeira Grande Guerra Mundial e a ascensão do comunismo na Rússia. Todos estes factos, a Igreja ter sido ferozmente perseguida pelos apoiantes de Afonso Costa, o advento fugaz do sidonismo, nos finais daquele ano de 1917, determinado uma modificação política na história de Portugal iniciada em 1910, o povo que chorava e rezava pelos seus jovens que partiam para uma guerra de ideais e interesses que não eram os seus, a extrema pobreza e doenças na população portuguesa, tudo exaltavam à fé e a crenças diversas para alcançar a paz. Os relatos das aparições/visões Marianas, como ficaram designadas, são fenómenos nos quais se acredita que a Virgem Maria aparece ou é vista a uma ou várias pessoas (chamadas popularmente de videntes), na sua maioria católicos. De referir que existe uma diferença entre aparição e visão; a aparição é a manifestação súbita de algo ou objecto físico, na visão há uma força de presença tal que equivalem à manifestação externa sensível de algo que não é físico, pode ter a ver com efeitos parapsicológicos ou de alucinação. Relatos de fenómenos de aparições/visões são muito antigos, em Portugal e no mundo. Como exemplos, em Portugal, terão ocorrido em 1217 por um frade franciscano na serra de Montejunto, cerca de 200 anos antes dos acontecimentos de Fátima deu-se outro fenómeno idêntico no Cabeço da Ortiga, a seis quilómetros da Cova da Iria, onde uma pastorinha muda terá tido uma visão de Nossa Senhora, foi construída uma capela em 1758 em memória do ocorrido e ainda hoje é celebrada a Virgem, em julho. Outros registos idênticos terão ocorrido, como em Carnaxide nos arredores de Lisboa, em 1822. No ano de 1917 numerosos foram os relatos de aparições/visões, exemplo disso o caso do vidente Carlos Calderon, médium famoso à época,  que terá recebido uma comunicação em 7 de fevereiro de 1917 que dizia entre outras coisas: "A data de 13 de maio será de grande alegria para os bons espiritas de todo o mundo.", segundo registo esta comunicação tinha a particularidade de ser escrita da direita para a esquerda, só podendo ser lida com a ajuda de um espelho. Carlos Calderon publica no jornal Diário de Notícias de 10 de março de 1917 a seguinte mensagem sob o número 135917: "Não esqueças o dia feliz em que findará o nosso martírioA guerra que nos fazem terminará." Outro pré-anúncio foi divulgado nas páginas da imprensa diária portuguesa no próprio dia 13, o jornal O Primeiro de Janeiro, o Jornal de Notícias e o Liberdade publicaram um texto, datado da antevéspera, subscrito por um espírita de nome António, procedente do Porto. O postal enviado dizia: "Dia 13 do corrente vai dar-se um facto a respeito da guerra que impressionará fortemente toda a gente." No conteúdo dessas comunicações o objectivo era a preocupação com a guerra e o anseio pela paz.  Também há registos de aparições/visões em 10 de maio de 1917 em Barral, uma aldeia no meio das montanhas, em Ponte da Barca. Em 1918, registaram-se mais fenómenos do mesmo tipo em Ponte de Sor, outro em Vale do Arco (Tarouca), e outro na ilha de São Miguel, nos Açores. Mas seriam as aparições/visões mais marcantes, as de Fátima, testemunhadas por três crianças simples do povo, ignorantes e profundamente religiosas, Lúcia dos Santos (1907 – 2005) de 10 anos e os seus primos Francisco de Jesus Marto (1908 - 1919) de 9 anos e Jacinta Marto (1910  -  1920) de 7 anos, popularmente chamados desde então "Os Três Pastorinhos". Estas crianças afirmaram ter presenciado seis aparições/visões de Nossa Senhora no lugar da Cova da Iria, em Fátima, Portugal, nos dias 13 de maio, 13 de junho, 13 de julho, 13 de setembro e 13 de outubro, tendo, no mês de agosto desse ano, a aparição/visão mariana ocorrido excepcionalmente no dia 19 de agosto no lugar dos Valinhos, também da freguesia de Fátima. Segundo se conta, Lúcia que via, ouvia e falava com a aparição/visão, Jacinta via e ouvia e Francisco apenas via, mas não a ouvia. Relata a história contada por Lúcia que as aparições/visões a que designaram do Anjo, em 1916, foram precedidas por três outras visões, de abril a outubro de 1915, nas quais Lúcia e outras três pastorinhas, Teresa Matias, sua irmã Maria Rosa e Maria Justino viram o Anjo, também no outeiro do Cabeço, e em outros locais, como que suspensa no ar sobre o arvoredo do vale. Descreve desta forma Lúcia: "Uma como que nuvem mais branca que a neve, algo transparente, com forma humana. Era uma figura, como se fosse uma estátua de neve, que os raios do sol tornavam algo transparente." Relata a história que na Primavera de 1916, quando "Os Três Pastorinhos" tinham levado o seu rebanho de ovelhas para o pasto perto da aldeia de Fátima, num dia como outro qualquer na vida das três crianças, nesse dia afirmaram ter tido três aparições/visões de um Anjo, o qual se apresentou como sendo o Anjo da Paz, ou Anjo de Portugal: "uma luz mais branca que a neve, com a forma dum jovem, transparente, mais brilhante que um cristal atravessado pelos raios do Sol. À medida que se aproximava, íamos-lhe distinguindo as feições.", relatou mais tarde Lúcia sobre esta visão. Duas das aparições/visões do mesmo tipo, designadas do Anjo, ocorreram no local da Loca do Cabeço nos Valinhos, e outra decorreu junto do poço do Arneiro, na casa de Lúcia, em Aljustrel onde as crianças costumavam brincar. A terceira aparição/visão ocorreu no fim do Verão ou princípio de Outono de 1916, novamente na Loca do Cabeço.




Aspectos da Primeira Grande Guerra Mundial entre 1914 e 1918 (arq. priv.)



Cartaz ilustrado produzido entre 1916 e 1917 no contexto da participação
 de Portugal na Primeira Grande Guerra Mundial
 (col. priv.)



Tropas do Corpo Expedicionário Português CEP,
marchando para o cais de Alcântara em 1917,
foto Joshua Benoliel (arq. AML)




Exemplos de aspectos do que terão sido aparições/visões Marianas
visto por artistas plásticos e fotógrafos (arq. priv.)



Exemplo de registo artístico de uma aparição Mariana
(arq. pess.)




Misterioso anúncio publicado na página 4 do jornal Diário de Notícias
no dia 10 de março de 1917  por Carlos Calderon (arq. priv)




Lúcia dos Santos com os seus primos Francisco e Jacinta Marto,
 foto Joshua Benoliel in Illustração Portugueza
de 29 de outubro de 1917 (arq. priv.)


Memorial da representação da aparição/visão do Anjo em 1915
pelos "Três Pastorinhos" no lugar da Loca do Cabeço (arq. priv.)



Poço do Arneiro um dos supostos locais das aparições/visão em 1916 (arq. priv.)



Memorial no poço do Arneiro na atualidade transformado em local de culto (arq. priv.)



Placa de identificação do local da 2ª aparição
no poço do Arneiro em 1916 (arq. priv.)





No dia 13 de maio de 1917, quando "Os Três Pastorinhos" guardavam o rebanho de ovelhas e brincavam construindo uma casa de pedras soltas na Cova da Iria, uma pequena propriedade pertencente aos pais de Lúcia Santos, localizada a 2,5 km de Fátima, foi relatado que por volta do meio-dia e depois de rezarem o terço, observaram dois clarões como se fossem relâmpagos. Com receio de começar a chover, reuniram o rebanho e decidiram ir-se embora, mas no caminho mais abaixo, outro clarão surgiu tendo iluminado o espaço. Nesse instante, teriam visto em cima de uma pequena azinheira algo, que como relatou Lúcia: "era uma Senhora vestida de branco e mais brilhante que o Sol, espargindo luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios do sol mais ardente. A sua face, indescritivelmente bela não era nem triste, nem alegre, mas séria, com ar de suave censura. As mãos juntas, como a rezar, apoiadas no peito e voltadas para cima. Da mão direita pendia um rosário. As vestes pareciam feitas só de luz. A túnica era branca e branco o manto, orlado de ouro que cobria a cabeça da Virgem e lhe descia até aos pés. Não se Lhe viam os cabelos nem as orelhas." Os traços da fisionomia Lúcia afirmou nunca poder descrevê-los, pois a sua formosura não cabe em palavras humanas. Nesta aparição/visão, Lúcia terá falado com a referida visão em forma humana, que lhe terá pedido para voltar àquele local todos os dias 13 durante seis meses seguidos, àquela mesma hora e que mais uma sétima vez iria aparecer, terá também relatado que o destino das três crianças estava previsto e que teriam de rezar para alcançarem a paz no mundo e o fim da guerra, à época decorria a Primeira Grande Guerra Mundial. Logo após este diálogo terá desaparecido elevando-se, revela Lúcia: "Em seguida começou a elevar-se serenamente em direção ao nascente até desaparecer na imensidade da distância. A luz que A circundava ia como que abrindo um caminho no cerrado dos astros." As crianças terão seguido as regras do que lhes terá sido pedido e logo divulgaram estes acontecimentos pela população. No dia 13 de junho, compareceram no local cerca de 50 pessoas curiosas pelos factos entretanto revelado. Por volta do meio-dia, os videntes notaram novamente um clarão, a que chamavam relâmpago, mas que não era propriamente tal, mas sim o reflexo de uma luz que se aproximava. Segundo relatos, alguns dos espectadores notaram que a luz do Sol se obscureceu durante os minutos que se seguiram ao início da conversação, outros afirmaram que o topo da azinheira, coberto de rebentos, pareceu curvar-se como sob um peso, um momento antes da Lúcia falar. Durante a troca de palavras entre Lúcia e a aparição/visão alguns ouviram um sussurro como se fosse o zumbido de uma abelha. Nesse dialogo segundo Lúcia, o tema da conversa terá sido o mesmo e a aparição/visão ter-lhe-á dito que a Jacinta e o Francisco em breve partiriam para sempre. Ainda segundo relatos algumas das pessoas mais próximas notaram que os rebentos do topo da azinheira estavam tombados na mesma direcção, como se as vestes da visão os tivessem arrastado. Só algumas horas mais tarde retomaram a posição natural. A 13 de julho de 1917, ao dar-se a terceira aparição/visão, relatos de que uma pequena nuvem de cor cinzenta, pairou sobre a azinheira, o Sol ofuscou-se, uma aragem fresca soprou sobre a serra, embora se estivesse em pleno Verão. O Sr. Manuel Marto, pai da Jacinta e do Francisco, diz que também ouviu um sussurro, como o de moscas num cântaro vazio. Os videntes viram o reflexo da costumada luz e, em seguida, a aparição/visão de Nossa Senhora sobre a azinheira. Neste diálogo de Lúcia com a aparição/visão, os pedidos terão sido os mesmos, rezar pela paz no mundo e o fim da guerra e que em outubro irá aparecer para dizer quem é e fará um milagre para que todos acreditem. Terá neste dia descrito a designada "Visão do Inferno", segundo Lúcia. Segundo ainda Lúcia, terá afirmado: "Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fogo que parecia estar debaixo da terra. Mergulhados neste fogo os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas que delas mesmas saíam, juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faúlhas em os grandes incêndios, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes e negros. Esta vista foi um momento, e graças à nossa boa Mãe do Céu, que antes nos tinha prevenido com a promessa de nos levar para o Céu como na primeira aparição! Se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor." (considerada a primeira parte do segredo - "A visão do Inferno") "Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI, começará outra pior. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem aos meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz, se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja, os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas." (considerada a segunda parte do segredo - "Devoção ao Imaculado Coração de Maria e a conversão da Rússia") "Por fim o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz. Em Portugal se conservará sempre o dogma da fé. Então vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo na mão esquerda; ao cintilar, soltava chamas que pareciam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro. O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte dizia: "Penitência, Penitência, Penitência!"E vimos numa luz imensa, que é Deus, algo semelhante a como se vêem as pessoas no espelho, quando lhe diante passa um bispo vestido de branco. Tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre. Vimos vários outros bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande cruz, de tronco tosco, como se fora de sobreiro como a casca. O Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade, meio em ruínas e meio trémulo, com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena. Ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho. Chegando ao cimo do monte, prostrado, de joelhos, aos pés da cruz, foi morto por um grupo de soldados que lhe disparavam vários tiros e setas e assim mesmo foram morrendo uns após os outros, os bispos, os sacerdotes, religiosos, religiosas e várias pessoas seculares. Cavalheiros e senhoras de várias classes e posições. Sob os dois braços da cruz, estavam dois anjos. Cada um com um regador de cristal nas mãos recolhendo neles o sangue dos mártires e com eles irrigando as almas que se aproximavam de Deus." (considerada a terceira parte do segredo - "O atentado ao papa"). Curiosamente, nos relatos de Lúcia sobre a "Visão do Inferno" e do Santo Padre, existe alguma semelhança com uma gravura publicada num famoso livro de catecismo do século XIX. As autoridades do Vaticano teimam em interpretar esta última mensagem como tendo sido o atentado que o papa João Paulo II sofreu em 13 de maio de 1981. Mas o texto, que não coincide em nada com o referido atentado, parece claro ao que se refere a factos que estão por vir, e vem de encontro com outras profecias, como a do papa Pio X, Dom Bosco, São Malaquias e Nostradamus.
No dia 13 de agosto de 1917, quando deveria dar-se a quarta aparição/visão, os videntes não puderam comparecer à Cova da Iria, foram levados pelo então administrador do concelho de Vila Nova de Ourém, Artur de Oliveira Santos (1884 - 1955), um republicano anticlerical e maçon, que à força quis arrancar-lhes o segredo. Nesse dia, uma grande multidão se juntou e há relatos de que teriam sido cerca de 18.000 pessoas, que aguardavam pela aparição/visão. Relatos afirmam que por volta do meio-dia, terão ouvido um trovão, ao qual se seguiu o relâmpago, tendo os espectadores notado uma pequena nuvem branca que pairou alguns minutos sobre a azinheira. Terão sido observados também fenómenos de coloração, com diversas cores, nos rostos das pessoas, nas roupas, nas árvores e no chão. As crianças não estavam presentes, continuaram em cativeiro e apesar das várias ameaças físicas e psicológicas a que foram sujeitas, permaneceram em silêncio e nada revelaram. Após o interrogatório final na manhã do dia 15 de agosto, as três crianças foram então libertadas e regressaram a Fátima. No dia 19 de agosto, Lúcia estava com Francisco e o seu irmão João no lugar dos Valinhos, uma propriedade de um dos seus tios e que dista uns 500 metros de Aljustrel, quando pelas 4 horas da tarde, começaram a notar-se as alterações atmosféricas que precederam as aparições/visões anteriores, uma súbita diminuição da temperatura e um enfraquecer do Sol. Lúcia, sentindo que alguma coisa de sobrenatural se aproximava e os envolvia, pediu ao primo João para chamar rapidamente a Jacinta, a qual chegou a tempo de ver Nossa Senhora que, anunciada, como das vezes anteriores, por um reflexo de luz, apareceu sobre uma azinheira, um pouco maior que a da Cova da Iria. Uma vez mais terá feito os pedidos do costume e anunciando um milagre para o último mês para que todos acreditem, após isto começou a elevar-se em direcção ao nascente, segundo Lúcia. Os três videntes cortaram ramos da árvore sobre a qual Nossa Senhora lhes tinha aparecido e levaram-nos para casa. Os ramos exalavam, segundo o relato, um perfume suava e desconhecido o que levou os pais das crianças a pensar que seria verdade o que as crianças diziam.
 

 


 
Reconstituição do fenómeno que "Os Três Pastorinhos" terão visto no dia 13 de maio de 1917
(arq. priv.)



Ilustração popular representando a aparição/visão dos "Três Pastorinhos"
no dia 13 de maio de 1917 (col. pess.)



Jacinta Marto sentada e Lúcia Santos de pé em 1917 (arq. priv.)



"Os Três Pastorinhos" rezando no local das aparições/visões em 1917
(arq. priv.)


Aspecto da visão que Lúcia terá tido no seu relato sobre o inferno
baseado numa gravura de missal do século XIX (col. pess.)

 

Primeiros peregrinos na Cova da Iria ao local das aparições/visões
(arq. priv.)



"Os Três Pastorinhos" Francisco, Lúcia e Jacinta no pórtico
construído no local das aparições/visões em 1917
(arq. priv.)



Lugar dos Valinhos, local da IV aparição/visão a 19 de agosto de 1917
aos "Três Pastorinhos" (arq. priv.)
 


Casa da família de Lúcia dos Santos em 1917 (arq. priv.)


Casa de Francisco e Jacinta Marto em 1917 (arq. priv.)



Monumento evocativo da IV aparição/visão tida pelos "Três Pastorinhos"
 em Valinhos na actualidade (arq. pess.)



Os três humildes pastorinhos Jacinta Marto, Lúcia dos Santos
e Francisco Marto em 1917 após as aparições/visões
 (arq. priv.)




A 13 de setembro, como das outras vezes, uma série de fenómenos atmosféricos foram observados pelos presentes, cujo número foi calculado entre 15 e 20 000 pessoas, o súbito arrefecimento da atmosfera, o empalidecer do Sol até ao ponto de se verem as estrelas, uma espécie de chuva como que de pétalas irisadas ou flocos de neve que desapareciam antes de pousarem na terra. Desta vez em particular, foi notado um globo luminoso que se movia lenta e majestosamente pelo céu, do nascente para o poente e, no fim da aparição/visão, em sentido contrário. Os videntes notaram, como de costume, o reflexo de uma luz e, a seguir, Nossa Senhora sobre a azinheira. O diálogo foi o mesmo, pedindo que rezassem, anunciando a cura para alguns doentes, o fim da guerra e uma vez mais o milagre que ia acontecer para que todos acreditassem. Finalmente no dia 13 de outubro de 1917, devido ao facto de os pastorinhos terem revelado que a Virgem Maria iria fazer um milagre neste dia, estavam presentes na Cova da Iria, segundo relatos,  cerca de 50 mil pessoas. Acorreram ao local de todas as formas possíveis, a pé, de burro, de cavalo, carroça, carros char-a-bancs e automóvel (poucos à época). Nesse dia chovia torrencialmente e a multidão aguardava as três crianças nos terrenos enlameados da serra. Lúcia foi acompanhada da mãe que temia pela vida da filha, nesse dia a multidão era muita e ajoelha-se na lama numa atitude humilde e suplicante. Lúcia pediu ao povo que fechasse os guarda-chuvas e com ela rezassem o terço. Pouco depois surge o reflexo da luz e, em seguida, Nossa Senhora terá surgido sobre a azinheira. Segundo Lúcia a Senhora terá dito: "Quero dizer-te que façam aqui uma capela em Minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o terço todos os dias. A guerra vai acabar e os militares voltarão em breve para suas casas." Lúcia terá pedido, segundo relatou a cura para doentes e a conversão dos pecadores ao que a imagem lhe terá respondido: "Uns, sim; outros, não. É preciso que se emendem, que peçam perdão dos seus pecados." E terá pedido em tom triste: "Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido." Segundo ainda Lúcia, terá aberto as mãos, fê-las reflectir no Sol e enquanto se elevava, continuava o reflexo da sua própria luz a projectar-se no Sol. Neste momento, Lúcia diz para a multidão olhar para o Sol, levada por um movimento interior que a isso a impeliu, Lúcia nesse momento diz ter visto após o desaparecimento de Nossa Senhora, a Sagrada Família, a figura de Jesus acabrunhado de dor a caminho do Calvário e Nossa Senhora que lhe dava a ideia de ser Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora do Carmo abençoando a multidão a partir do firmamento. Enquanto "Os Três Pastorinhos" eram agraciados com estas aparições/visões, pois segundo o relato, apenas Lúcia viu este quadro, Jacinta e Francisco viram somente o primeiro. É neste momento que a maior parte da multidão presente observou o chamado "Milagre do Sol". Segundo os relatos de muitos presentes, a chuva torrencial que caía cessou, as nuvens abriram-se deixando ver o Sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podendo vislumbrar-se sem dificuldade e sem encandear. A imensa bola começou a girar vertiginosamente sobre si mesma como uma roda de fogo. Depois, os seus bordos tornaram-se escarlates e deslizou no céu, como um redemoinho, lacando como que chamas vermelhas de fogo. Essa luz reflectia-se no solo, nas árvores, nas faces das pessoas e nas suas roupas, aparentando tonalidades brilhantes e diferentes cores. Animado três vezes por um movimento louco, o globo de fogo pareceu tremer, sacudir-se e precipitar-se em zigue-zague sobre a multidão aterrorizada. Tudo durou uns dez minutos. Segundo os relatos, muitos dos presentes gritavam: "Milagre, milagre! Maravilha, maravilha!" Finalmente, o Sol voltou em zigue-zague para o seu lugar e ficou novamente tranquilo e brilhante como se nada tivesse acontecido. Muitas pessoas notaram que as suas roupas, ensopadas pela chuva, tinham secado subitamente. Também houve relatos de aparentes curas inexplicáveis de paralíticos e cegos, e outras doenças não explícitas, em vários casos comprovadas também por testemunhos de médicos. Tal fenómeno estranho foi testemunhado por milhares de pessoas, até mesmo por outras que estavam a quilómetros do lugar das citadas aparições/visões. O relato foi publicado na imprensa da época como o jornal O Século e a revista Illustração Portugueza, pelos diversos jornalistas que ali se deslocaram como o repórter Avelino Almeida e que foram também eles, testemunhas do estranho acontecimento. A descrição do que "Os Três Pastorinhos" terão observado e ouvido são relatados nas Memórias de Lúcia dos Santos, mais ninguém os viu ou ouviu. Perante os relatos feitos por testemunhos da época no local resta tentar perceber o que realmente aconteceu, terá sido sempre ou alguma vez foi a Virgem Maria que se manifestou aos videntes? Ou os videntes foram levados a afirmar que as entidades manifestantes, foram sempre as mesmas: a Virgem Maria, por uma simples sugestão provocada pela mística religiosa? Porque o Sol se teria movimentado naquele dia só em Fátima e não no resto do mundo? Seria no entanto a última vez que este tipo de fenómeno, aparição/visão Mariana aconteceria aos "Três Pastorinhos" de Fátima. Muito embora haja relatos de que Jacinta Marto e Lúcia Santos tenham voltado ter algumas raras experiências semelhantes mais tarde em privado, mas sem o mesmo impacto.




Reconstituição da aparição/visão que "Os Três Pastorinhos"
terão tido no dia 13 de maio de 1917 na Cova da Iria
 (arq. priv.)



Multidão em Fátima por ocasião do "Milagre do Sol " junto ao local das aparições/visões
em 13 de outubro de 1917, foto de Joshua Benoliel (arq. priv.)



Multidão na Cova da Iria no dia 13 de outubro de 1917 aquando do fenómeno
do designado "Milagre do Sol", foto Joshua Benoliel (arq. priv.)
 
 
Multidão na Cova da Iria no dia 13 de outubro de 1917 no momento do fenómeno
do designado "Milagre do Sol", foto Joshua Benoliel (arq. priv.)



Multidão presente na Cova da Iria observam o "Milagre do Sol"
em 13 de outubro de 1917, foto Joshua Benoliel (arq. priv.)



Multidão no dia 13 de outubro de 1917 vendo-se Jacinta assustada
ao colo de um militar, foto Judah Bento Ruah (arq. priv.)



"Os Três Pastorinhos" Francisco, Lúcia e Jacinta com populares
no pórtico construído no local das aparições/visões em 1917
(arq. priv.)



 

 Páginas 353 a 356 da edição de 29 de outubro de 1917 da Illustração Portugueza
com uma reportagem sobre o Milagre de Fátima como foi noticiado
(arq. Hemeroteca Digital)



Página do jornal 0 Século de 18 de outubro de 1917 relatando
a notícia do fenómeno do movimento do Sol em Fátima
(arq. priv.)



Foto publicada em 1951 pelo L'Osservatore Romano mostrando o que terá sido
o fenómeno do "Milagre do Sol " ocorrido em 13 de outubro de 1917
(arq. priv.)





As três crianças, "Os Três Pastorinhos", particularmente Francisco de Jesus Marto, tinham o costume de praticar mortificações, mas que Nossa Senhora, numa das suas aparições/visões, pedira moderação. Contudo, como penitência, Francisco deixara de ir à escola e escondia-se para fazer reparação pelos pecadores. É possível que os prolongados jejuns o tenham enfraquecido a ponto de sucumbir à epidemia gerada pela pneumónica que varreu a Europa em 1918, em consequência da Primeira Grande Guerra Mundial. Ele acabou por falecer em sua casa a 4 de abril de 1919. Descrevendo a morte do seu primo, nas suas Memórias, a irmã Lúcia escreveu: "Ele voou para o Céu nos braços da Nossa Mãe Celeste." Foi sepultado no cemitério de Fátima e em 13 de março de 1952 o seu corpo é trasladado para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima. Foi beatificado pelo papa João Paulo II no dia 13 de maio de 2000 no Santuário de Fátima, e será canonizado pelo papa Francisco no mesmo local no dia 13 de maio de 2017, por ocasião das celebrações do Centenário das Aparições de Fátima. Um ano depois das aparições/visões da Cova da Iria, Jacinta Marto adoece, primeiro foi a pneumonia bronquial, depois um abcesso nos pulmões, que lhe causaram muito sofrimento. Como sofria de pleurisia não podia ser anestesiada devido à má condição do seu coração, foi assistida em vários hospitais, esteve acolhida temporariamente no Orfanato de Nossa Senhora dos Milagres, na rua da Estrela n.º 17, em Lisboa (actual Mosteiro do Imaculado Coração de Maria, junto ao Jardim da Estrela), o qual foi fundado e dirigido pela Madre Maria da Purificação Godinho, acabando por falecer a 20 de fevereiro de 1920, no Hospital de Dona Estefânia em Lisboa. Na sua cama de hospital, dizia que a sua doença era mais uma maneira de sofrer para a conversão dos pecadores. É sepultada inicialmente no cemitério de Vila Nova de Ourém, no jazigo da família do Barão de Alvaiázere. A 12 de setembro de 1935, os seus restos mortais são trasladados para o cemitério de Fátima, data em que a urna foi aberta e revelado o seu corpo incorrupto. Em 1 de maio de 1951 o seu corpo é trasladado para Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima. Foi beatificada pelo papa João Paulo II no dia 13 de maio de 2000 no Santuário de Fátima, e será canonizada pelo papa Francisco no mesmo local no dia 13 de maio de 2017, por ocasião das celebrações do Centenário das Aparições de Fátima. Lúcia dos Santos foi a única dos três primos que falava com a aparição/visão da Virgem Maria, que sobreviveu, foi a portadora dos designados "Segredos de Fátima". Lúcia passou a viver cada vez mais isolada. Durante alguns anos ficou na Quinta da Formigueira em Frossos, Braga, propriedade do bispo de Leiria D. José Alves Correia da Silva (1872 - 1957). Em 17 de junho de 1921, o bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, proporcionou a sua entrada no colégio das irmãs doroteias em Vilar, no Porto, alegadamente para a proteger dos peregrinos e curiosos que acorriam cada vez mais à Cova da Iria e pretendiam falar com ela. Professou como religiosa doroteia em 1928, em Tui, Espanha, onde viveu alguns anos. Em 1946 regressou a Portugal e, dois anos depois, entrou para a clausura do Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde professou como carmelita descalça a 31 de maio de 1949. Foi neste convento que escreveu dois volumes com as suas Memórias e os Apelos da Mensagem de Fátima. Em 1967 encontra-se em Fátima com o papa Paulo VI aquando da sua vinda a Portugal e 1991, quando o papa João Paulo II visitou Fátima, convidou a irmã Lúcia a deslocar-se ali e esteve reunido com ela cerca de doze minutos. Lúcia dos Santos morreu no dia 13 de fevereiro de 2005, aos 97 anos, no Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra. O papa João Paulo II, nesta ocasião, rezou por irmã Lúcia e enviou o cardeal Tarcisio Bertone para o representar no funeral. Em 19 de fevereiro de 2006 o seu corpo foi trasladado de Coimbra para o Santuário de Fátima onde foi sepultada junto dos seus primos, Francisco e Jacinta Marto. Em relação aos "Segredos de Fátima", a irmã Lúcia terá revelado um segredo, constituído por três partes, de carácter profético. As duas primeiras partes foram reveladas em 1941 num documento escrito por Lúcia. A terceira parte foi escrita por Lúcia em 3 de janeiro de 1944, por ordem do bispo de Leiria, e revelada em 2000. Em 14 de fevereiro de 2008 o papa Bento XVI autorizou, excepcionando as normas do Direito Canónico, o início da fase diocesana da causa da sua beatificação, transcorridos apenas três anos da sua morte. Este fenómeno dos "Três Pastorinhos" e das aparições/visões de Fátima, desde 1917 até aos nossos dias, têm sido representadas em várias produções cinematográficas e documentários nacionais e estrangeiras, que abordaram, de forma mais ou menos fiel, consoante os relatos e a imaginação dos seus realizadores.




"Os Três Pastorinhos", Jacinta Marto, Lúcia dos Santos e Francisco Marto rezando em 1917
(arq. priv.)



Túmulo de Francisco Marto na Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima
(foto Paulo Nogueira)



Túmulos de Jacinta Marto e Lúcia Santos
na Basílica de Nossa Senhora do Rosário
 em Fátima (foto Paulo Nogueira)



São Francisco Marto e Santa Jacinta Marto canonizados no dia 13 de maio de 2017
pelo papa Francisco no Santuário de Fátima (arq. pess.)


 
Papa  Paulo VI e irmã Lúcia em visita a Fátima pela primeira vez em 13 de maio 1967
(arq. priv.)
 


Papa João Paulo II e a irmã Lúcia aquando a visita do Santo padre em 1991 (arq. priv.)



Ilustração alusiva à  aparição visão de Nossa Senhora de Fátima
aos "Três Pastorinhos" dos anos 30 (col. pess.)

 
 
Cinema Eden em Lisboa com a exibição de um filme português
sobre a questão de Fátima em 1943 (arq. AML)





Em resposta ao suposto pedido da aparição/visão de Nossa Senhora, foi construída uma modesta capela no local exacto onde ocorreram as aparições/visões. Esta obra modesta ficou concluída em 15 de junho de 1919 e foi executada pelo pedreiro Joaquim Barbeiro de Santa Catarina da Serra, ficou conhecida por Capelinha das Aparições. A imagem de Nossa Senhora de Fátima, feita segundo as orientações da irmã Lúcia, foi oferecida por Gilberto Fernandes dos Santos, feita em madeira de cedro do Brasil, e mede 1,10m de altura, foi benzida no dia 13 de maio de 1920 na Igreja Paroquial de Fátima, e ocupou o lugar na Capelinha das Aparições a 13 de junho do mesmo ano. Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se céptica sobre as afirmações dos "Três Pastorinhos" e foi só a 13 de outubro de 1930 que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições/visões eram dignas de crédito. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou uma expressão internacional. De referir também como curiosidade que o Presidente do conselho de Ministros António de Oliveira Salazar (1889 – 1970), pessoa de profunda fé católica, nunca foi apologista nem crente neste fenómeno de Fátima, apesar de durante todo o período da sua governação Fátima ter sido um dos ícones nacional. No entanto já em setembro de 1920, eram adquiridos terrenos delimitando uma considerável extensão destinada à organização do futuro santuário. Após a visita do bispo à Cova da Iria, onde rezou o terço, foi autorizada a realização de culto público a Nossa Senhora, e em 13 de outubro foi celebrada a primeira missa diante da capela. O culto autorizado não se destinava à Virgem de Fátima especificamente, visto que as aparições/visões ainda estavam a ser analisadas pela Igreja e não haviam sido ratificadas formalmente. Em 6 de março de 1922, a Capelinha das Aparições foi dinamitada por desconhecidos e parcialmente destruída. Embora tenham sido colocados explosivos em cada canto da pequena ermida, nem todas as cargas detonaram, contribuindo para a ideia popular de que o local estaria protegido por alguém ou algo sobrenatural.
Dadas as aparentes curas miraculosas ocorridas em Fátima, à semelhança do Bureau des Constatations Médicales do Santuário de Lourdes, em Fátima seria criado em 1926 o Serviço de Verificações Médicas, onde, sob a égide do médico Pereira Gens, se procurou atestar a veracidade dessas curas miraculosas ocorridas, ainda que, segundo aquele clínico, sem o rigor de observação e diagnóstico do seu congénere francês. Em 13 de maio de 1928 é lançada a primeira pedra para a construção da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, seguindo um projecto de Gerardus Samuel van Krieken. É também no mesmo ano que é feita a bênção da primeira pedra para o monumento da praça central do santuário ao Sagrado Coração de Jesus. Em 26 de junho o bispo de Leiria preside pela primeira vez a uma cerimónia oficial na Cova da Iria. Por esta altura, prevendo-se a futura ampliação do complexo, iniciam-se esboços mais consistentes de um ordenamento urbanístico e arquitectónico da área, elaborados por Luís Cristino da Silva e Ernesto Korrodi, que criaram uma planta urbanística geral baseada na forma da cruz. Para a Cova da Iria, António de Aguiar e José de Lima Franco criaram outro projecto, mas também esses planos não foram implementados na sua totalidade, continuando o santuário a crescer desorganizadamente. Surge uma capela para missas e equipamentos de assistência hospitalar e apoio a retiros, delimitam-se os locais do pórtico de entrada, de outras ruas, da fonte e outras edificações. Ao longo dos anos o santuário foi sendo expandido, contando hoje com duas basílicas, o que representou um aumento significativo da capacidade de acolhimento de peregrinos em recinto coberto. Em 13 de outubro de 1942 um grupo de mulheres portuguesas oferece uma coroa de ouro, a coroa de Portugal, à imagem de Nossa Senhora de Fátima e a 1 de maio de 1946 celebrou-se a coroação de Nossa Senhora, em Fátima pelo cardeal Bento Aloisi Masella. Em 25 de março de 1984 o papa João Paulo II durante a solenidade de Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria entrega a D. Alberto Cosme do Amaral o projétil da bala que quase o matou no atentado que sofreu em 13 de maio de 1981. Logo após o referido projétil da bala foi colocado na parte inferior da coroa da imagem. A entrega e a solenidade ocorreu na Praça de São Pedro, no Vaticano. Aquele Santuário Mariano em Fátima, envolto em toda a mística das aparições/visões, independentemente da veracidade dos factos, tornou-se num local de culto e fé dos homens.
Inaugurada em 12 de outubro de 2007 pelo Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Tarcisio Bertone, por ocasião do 90.º aniversário das Aparições de Fátima, a grande Basílica dedicada à Santíssima Trindade, dispondo de 8 633 lugares sentados e 40 000 m² de área. O projecto teve autoria do arquitecto grego Alexandros Tombazis. Esta Basílica é a mais recente construção do complexo do Santuário de Fátima, em linhas arquitectónicas modernas para o culto religioso, a que se somam várias obras de arte, tendo no interior do templo, por exemplo obras de Siza Vieira e Pedro Calapez. Toda área envolvente ao Santuário, apesar dos diversos planos urbanísticos criados para ordenar o crescimento de Fátima, tiveram pouco efeito prático, e o complexo que se vê actualmente é fruto mais de intervenções pontuais que atendiam a necessidades do momento do que de um planeamento unificado e de longo prazo. Por outro lado, o poderoso impulso gerado pelo Santuário de Fátima foi responsável pelo crescimento exponencial de uma zona do país até aí muito pouco desenvolvida. Fátima é actualmente uma cidade portuguesa, sede de freguesia, subdivisão do concelho de Ourém e tornou-se num dos mais importantes destinos internacionais de turismo religioso, recebendo cerca de seis milhões de pessoas por ano. Neste ano em que se celebram o centenário das aparições/visões de Fátima, este santuário recebe a visita do papa Francisco na sua primeira deslocação a Portugal.




Capelinha das Aparições em 1922 erguida no local das aparições/visões
pelos pequenos "Três Pastorinhos" (arq. priv.)




Reprodução da imagem em madeira de Nossa Senhora Fátima
original de 1920 antes da coroação (arq. priv.)




Capelinha das Aparições dinamitada em 6 de março de 1922 (arq. priv.)



Aspecto de peregrinação a Fátima, em 13 de outubro de 1926 (arq. priv.)



Peregrinos no Santuário de Fátima em 1927 (arq. priv.)



Vista geral do local das aparições/visões numa peregrinação em 1928 (arq. priv.)



Bênção da primeira pedra do monumento ao Sagrado Coração de Jesus
em 13 de maio de 1928 no Santuário de Fátima (arq. priv.)


Postal ilustrado anterior a 1946 alusivo a Nossa Senhora de Fátima,
ao Santuário e Os Três Pastorinhos (col. pess.)




Coroação da imagem de Nossa Senhora de Fátima em 13 de maio de 1946 (arq. priv.)



Postal alusivo à coroação de Nossa Senhora de Fátima
Rainha da Paz e do Mundo 1946 (col. pess.)



Pormenor da coroa da imagem da Nossa Senhora de Fátima com o projectil da bala
que quase matou o papa João Paulo II no atentado de 1981(arq. priv.)



Fase da construção do Santuário de Fátima em 1949 (arq. priv.)



Aspecto geral dos peregrinos no Santuário de Fátima em meados dos anos 50 (arq. priv.)




Aspectos do Santuário e  Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima
na actualidade (fotos Paulo Nogueira)




 Torre da Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima
 (foto Paulo Nogueira)


Altar mor da Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima
(foto Paulo Nogueira)


Peregrinos junto à Capelinha das Aparições no recinto do Santuário de Fátima
(foto Paulo Nogueira)



Peregrinos junto à Capelinha das Aparições no Santuário de Fátima (foto Paulo Nogueira)



Imagem de Nossa Senhora de Fátima na Capelinha das Aparições na actualidade (arq. priv.)



Azinheira centenária preservada no Santuário de Fátima
ainda do tempo das aparições/visões de 13 de maio de 1917
(foto Paulo Nogueira)



Basílica da Santíssima Trindade em Fátima, moderna construção no Santuário de Fátima
(foto Paulo Nogueira)


Altar mor da Basílica da Santíssima Trindade no Santuário de Fátima (foto Paulo Nogueira)



Escultura em forma de terço com crucifixo em pórtico
de Joana Vasconcelos no Santuário de Fátima
nas comemorações do centenário das aparições/visões
(arq. priv.)



Vista aérea da cidade e do Santuário de Nossa Senhora de Fátima (arq. priv.)






Papa Francisco no seu primeiro dia no santuário de Fátima em 12 de maio de 2017
(arq. Catholic News Svc)
 



Por curiosidade outras três aparições/visões algo semelhantes, seriam relatadas, sem grande publicidade mais tarde, em 2 de abril de 1943, por 3 crianças, ditas videntes, e 3 adultos. Estas aparições/visões, ocorreram em Benfica, no caminho da Feiteira junto ao apeadeiro da Buraca, quando as crianças brincavam à porta de suas casas por volta das 22 horas e foram atraídas, segundo elas, por uma estranha luz que se desenhava do lado da estrada Militar que corria entre Benfica e Monsanto. As crianças terão afirmado ter visto a luz transformar-se numa figura, completamente tecida de uma luz resplandecente, possuindo algo semelhante a uma capa ou romeira que esvoaçava como se fosse pelo vento. Um adulto vizinho também terá assistido a este fenómeno. No dia 12 de agosto de 1943 o mesmo fenómeno terá sido visto no mesmo lugar, por volta da 1 hora, pela mãe de duas das crianças que terão assistido ao fenómeno anterior. Finalmente no mesmo local mas em fevereiro de 1947 também pelas 22 horas, um fenómeno ligeiramente diferente terá sido observado, em que um enorme triângulo de luz intensa avistado sobre a dita estrada Militar, deixou cair de si um triângulo mais pequeno que se fundiu com a terra, enquanto o primeiro corria no espaço, vertiginosamente em direcção à Serra de Monsanto. Este último fenómeno terá sido visto por outro adulto também a mãe de uma das crianças que terá assistido ao primeiro fenómeno. Neste primeiro fenómeno nenhuma das crianças referenciou ser a imagem de Virgem Maria, embora mais tarde confrontadas com a hipótese ficaram indecisas. Os relatos destes casos ocorridos em Benfica, pouco ou nada foram divulgados e ficaram sem explicação plausível. Mas também em Baião (1938), Vilar Chão (1946), Asseiceira (1954) ou da Ladeira do Pinheiro (1970/1971), foram exemplos de relatos idênticos de aparições/visões do mesmo fenómeno dito Mariano. Foi no entanto o fenómeno de Fátima de 1917 o mais divulgado e marcante. Todos estes dados e relatos históricos dos fenómenos das aparições/visões de Fátima, assim como os demais, continuam a ser um mistério envolto em grande controvérsia por parte de historiadores do tema e até da comunidade científica. Ao longo do tempo diversos autores sugeriram possíveis explicações para o pretenso milagre com base em fenómenos puramente naturais. Como exemplo, Joe Nickell sugere que os efeitos testemunhados podem se dever a efeitos visuais causados na retina após exposição à luz intensa, sugere também a possibilidade de a causa ter sido um parélio, um fenómeno atmosférico relativamente comum. Durante o dia do fenómeno, não foi reportada nenhuma observação científica extraordinária do Sol em observatórios nacionais e internacionais da época. Auguste Meessen, professor do Instituto de Física da Universidade Católica da Lovaina, afirmou que "milagres do Sol", não podem ser aceites e que as observações relatadas foram efeitos ópticos causados pela prolongada observação directa do Sol, alega igualmente que as imagens residuais na retina, produzidas após breves períodos de olhar fixo no Sol, são a causa provável dos efeitos observados de "dança". Meessen afirma também que as mudanças de cor testemunhadas pelos presentes, foram provavelmente causadas pela estimulação excessiva das células fotossensíveis da retina. Meessen adverte que "milagres do Sol" têm sido testemunhados em muitos locais do mundo onde peregrinos cheios de religiosidade têm sido encorajados a olhar para o Sol. Ele cita, como exemplo, as aparições em Heroldsbach em 1949, onde os mesmos exactos efeitos ópticos foram testemunhados por mais de 10 000 pessoas. O cientista descarta ainda a hipótese de, no caso de Fátima, se ter tratado de um OVNI, visto que este teria de ser demasiado grande para poder ser igualmente visto e confundido com o Sol, à mesma hora, em locais situados num raio de 18 km dali. Stanley L. Jaki, beneditino e autor de livros que tentam conciliar a ciência e o catolicismo, propôs uma teoria para o milagre. Na opinião dele, o fenómeno pode ter sido meteorológico em natureza, mas o facto de ter ocorrido no exacto tempo prenunciado é um milagre. De Marchi afirma que a predição de um "milagre" não específico, o início e final abruptos do pretenso milagre, a natureza diversa dos observadores, incluindo crentes e descrentes, o grande número de pessoas presentes e a ausência de qualquer possível causa científica conhecida põem uma barreira à hipótese de alucinação em massa. De Marchi afirma também que a existência de relatos de que a actividade solar foi visível por pessoas a até 18 Km de distância do local também elimina a possibilidade da teoria de alucinação ou histeria colectiva. Muitas ideias e opiniões portanto têm sido avançadas para a tentativa de explicação destes fenómenos, em especial o de Fátima que teve mais impacto junto dos fiéis e pela Igreja, fica pois ao critério de cada um de nós avaliar e concluir o que realmente se passou em 1917 em Fátima.  Independentemente dos fenómenos ocorridos há 100 anos ou não, uma coisa está presente e é real no sentimento de cada um, a fé. Esse sentimento acompanhado de absoluta abstinência da dúvida pelo antagonismo inerente à natureza dos fenómenos psicológicos e da lógica conceitual. Ou seja, é impossível duvidar e ter fé ao mesmo tempo...
Uma vez mais e como ressalva, neste artigo só pretendi relatar os factos conhecidos sobre os fenómenos ocorridos e as diversas opiniões que têm sido formuladas ao longo destes 100 anos por historiadores, estudiosos e cientistas da matéria, sobre a questão, sem com isto tomar partido de alguma das partes envolvidas.




Casas do caminho da Feiteira em Benfica onde terão sido avistados os fenómenos em 1943 e 1947
(arq. Ruin'Art)


Local do caminho da Feiteira em Benfica na actualidade
de onde terão sido avistados os fenómenos em 1943 e 1947
(arq. priv.)



Reconstituição do que terá sido a aparição/visão tida pelos "Três Pastorinhos" na Cova da Iria
 em 13 de maio de 1917 muito semelhante a outros ocorridos (arq. priv.)



Fenómeno atmosférico do Sol (arq. priv.)



Aspecto geral do recinto do Santuário e Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima
em 2016 (foto Paulo Nogueira)
 

Estátua do papa  Paulo VI no Santuário de Fátima (foto Paulo Nogueira)



Aspecto geral do recinto do Santuário e Basílica de Nossa Senhora do Rosário em Fátima 
em 2016 (foto Paulo Nogueira)


Símbolo da fé dos homens em estátua do papa João Paulo II
no Santuário de Fátima (foto Paulo Nogueira)



Vista geral de peregrinos junto à Capelinha das Aparições no Santuário de Fátima em 2016
(foto Paulo Nogueira)


Fieis assistindo a missa na Capelinha das Aparições no Santuário de Fátima em 2016
(foto Paulo Nogueira)



Vista aérea do Santuário de Fátima num dia de peregrinação na actualidade (arq. priv.)



Andor com imagem de Nossa Senhora de Fátima junto à Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima
 (arq. priv.)



Aspecto dos fiéis devotos na procissão das velas no dia 13 de maio no Santuário de Fátima (arq. priv.)



Imagem de Nossa Senhora de Fátima durante a procissão das velas do dia 13 de maio
 iluminada por todos os seus fieis e devotos no recinto do Santuário (arq. priv.)







Texto:
Paulo Nogueira

 

Fontes e bibliografia:

Illustração Portugueza n.º 610, p. 353 a 356, edição semanal do jornal O Século, Lisboa 29 de setembro de 1917

MENDONÇA, Filipe Furtado de, Um Raio de Luz sobre Fátima, Estranha Revelação, Luanda, 1974
Cónego José Galamba de Oliveira, História das Aparições in Fátima, Altar do Mundo Vol. II, pp. 21–160
Ocidental Editora, Porto, 1954,

MACHADO, António Augusto Borelli, As aparições e a mensagem de Fátima nos manuscritos da Irmã Lúcia, 23.ª edição, Maio de 1998
TORGAL, Luís Filipe, O Sol Bailou ao Meio-Dia, A Criação de Fátima, Edições Tinta da China, Lisboa 2011
Documentação Crítica de Fátima, Seleção de Documentos (1917-1930) Edição do Santuário de Fátima, 2013

HAFFERT, John Mathias, Encontro de Testemunhas, Edição da Sede Internacional do Exército Azul, 1961