quinta-feira, 28 de abril de 2016

FORTE DO GUINCHO OU DAS VELAS

 

 
 
Situado num local isolado, muito ventoso, considerado por alguns místico, de uma beleza natural única na encosta da Serra de Sintra junto ao mar, que tanto tem de belo como de tenebroso, o Forte do Guincho, também denominado de Forte das Velas, localiza-se sobre o maciço rochoso em posição dominante sobre a praia do Abano na Freguesia de Alcabideche no Conselho de Cascais.
Constitui, entre outros, mais um exemplo da arquitetura militar ao estilo maneirista do século XVII. Mandado construir no reinado de D. João IV (1604 - 1656), por D. António Luís de Menezes (1596 - 1675), enquanto Governador das Armas da Praça de Cascais, a partir de 1643, na época pós-Restauração, tendo sido responsável por esta e outras obras de reforço da barra do Tejo. Esta edificação será, possivelmente, da autoria dos engenheiros militares, o holandês João Paschasio Cosmander (1602 - 1648), ou do francês Charles Lassart, ambos chamados a Portugal pelo rei D. João IV para ajudar na construção de fortificações no reino durante a Guerra da Restauração (1640 - 1668). O Forte do Guincho ou das Velas, foi edificado a partir de 2 de janeiro de 1642, integrando o conjunto das fortalezas que formavam uma cintura defensiva na costa de Cascais. Tinha como objetivo esta fortaleza a defesa da costa, servindo, sobretudo, para vigia do mar, cruzando fogos com a Bateria da Galé, fortificação também existente na zona do Guincho, inviabilizando qualquer desembarque naquela parte da costa. Construído sobre o maciço rochoso, a sua planta é retangular, dividida em dois espaços distintos, a plataforma da bateria voltada para o mar, área de maiores dimensões, que albergava inicialmente sete peças de artilharia e a casa forte, de menores dimensões, virada para terra, que correspondia aos alojamentos dispostos em torno de um pátio. As suas fachadas de uma grande sobriedade e o frontispício é apenas rasgado por uma porta de armas com um arco de volta perfeita, estando encimado pelas armas de Portugal e a coroa do reinado de D. João IV. Como será fácil de imaginar, os militares destacados para esta fortificação, neste local ermo, viviam num enorme isolamento durante longos períodos e longe do convívio com a sociedade.
 



                                                             Rei D. João IV 1604 - 1656 (col. priv.)



                                         Aspeto da costa de Lisboa e Cascais no séc. XVII/XVIII (col. pess.)



                                                    D. António Luís de Menezes 1596 - 1675 (col. priv.)



                                                                                     Planta do Forte do Guincho ou das Velas
                                                                                        levantada em 1796, pelo Sargento mor
                                                                                           Maximiano José da Serra (arq. priv.)
 
 

 
                                           Aspeto geral do Forte do Guincho ou das Velas (foto Rafael Direitinho)



Aspeto do frontispício do Forte do Guincho ou das Velas (foto Rafael Direitinho)
                                    
 

Aspeto do Forte do Guincho ou das Velas na falésia para o mar (foto Paulo Nogueira)
        


Peças de artilharia idênticas às da bateria do Forte do Guincho ou das Velas no séc. XVII (arq. priv.)



Soldado português do período da Guerra da Restauração
como os que terão feito serviço
no Forte do Guincho ou das Velas
 (col. priv.)
 

 



                                 Aspetos da porta de armas do Forte do Guincho ou das Velas (foto Paulo Nogueira)



Pedra com as armas do reinado de D. João IV e placa alusiva a edificação,
sobre a porta de armas do Forte do Guincho ou das Velas
(foto Paulo Nogueira)



 

 
Sobre a porta de armas do Forte do Guincho ou das Velas e por baixo do brasão de armas de D. João IV, existe uma placa já carcomida pela erosão onde ainda se poder ler algo como:
 
                                                                                                    D. [ANTÓNIO] L[U]IS DE MENEZES
                                                                                                    CONDE DE CANTANHEDE DE S[EU
                                                                                                CONSELHO DE ESTADO] E GVERRA DE
                                                                                          [SUA MAGESTADE VEDOR] DE SVA FAZ[ENDA
                                                                        E G]OV[ERNADOR] DAS ARMAS [DE] CAS[CAIS] MANDOU FAZER
                                                                                                 ESTA [FORTIFICAÇÃO] O 1 DE DC[?]
 
 
 
 
Aspeto geral  do Forte do Guincho ou das Velas vista de terra (foto Paulo Nogueira)
 

                                   Vista das falésias da praia do Abano e o Forte do Guincho ou das Velas ao longe
                                                                                                      (foto Paulo Nogueira)



Com o Grande Terramoto de 1755 e com o maremoto que daí resultou, o Forte do Guincho ou das Velas, terá sofrido alguns danos tal como os ocorridos na Vila de Cascais, no entanto nos séculos XVIII e XIX esta edificação foi reformada em diferentes campanhas de obras de melhoramentos e adaptação. As mais importantes obras desta fortificação aconteceram por volta de 1793, quando a plataforma rochosa em que o forte assentava ameaçou a desmoronar-se. Procedeu-se, então, a um reforço significativo das muralhas, sendo o embasamento rochoso "contrafortado" (reforçado), por um paredão de cantaria, ainda hoje visível. No decorrer dessas mesmas obras, o interior da fortaleza foi restaurado com algumas alterações da sua organização espacial. Manteve ainda assim uma pequena guarnição militar até 1832, ano em que foi desativado e abandonado, quando o exército miguelista abandonou a região de Lisboa. De referir que esta fortificação desde então nunca mais foi ocupada pelo exército. Tal como a maior parte das fortificações entre Cascais e Lisboa, o Forte do Guincho ou das Velas, nunca participou em nenhuma operação defensiva significativa, funcionando apenas como um elemento dissuasor. Depois de desativa esta fortificação terá sido ainda arrendada, por diversas vezes, a particulares. Em 1934 o Forte do Guincho ou das Velas, passou para a posse do Ministério das Finanças, embora posteriormente tenha sido cedido ao Clube Nacional de Campismo em dezembro de 1944, passando a funcionar como Casa-abrigo. Para essa nova função, o forte sofre algumas obras de restauro que pouco interferiram na traça original. Como curiosidade, enquanto Casa-abrigo, foi bastante utilizado, tendo mesmo sido escolhida, devido à sua situação privilegiada, por alguns jovens casais de campistas para local de lua-de-mel. Em 1970 esta atividade foi interrompida naquela edificação, quando esta foi cedido à Guarda Fiscal que ali pretendia instalar um posto fiscal, o que nunca veio a acontecer. Já no ano de 1977, um ano depois de devolvido aos campistas, o edifício foi assaltado e pilhado por desconhecidos, segundo notícias da época. Tendo o Forte do Guincho ou das Velas sido classificado como imóvel de interesse Público em 1977, foi entregue à Câmara Municipal de Cascais em 2003. Na atualidade a fortaleza encontra-se desocupada, sendo visível o seu estado ruinoso e quase ao abandono. Esta prevista no entanto a sua recuperação pela autarquia, prevendo a instalação no local de uma cafetaria e de um núcleo de divulgação do Parque Natural Sintra-Cascais. O Forte do Guincho ou das Velas, é visível para quem circula na estrada junto à praia do Guincho. De alertar no entanto que se trata de um local que pode ser visitado por quem ali se deslocar, mas com as devidas precauções, pois trata-se de um local de acesso um pouco problemático, sem segurança alguma e que pode oferece grandes perigos por se situar numa falésia sem proteção alguma.



Aspeto do Forte do Guincho ou das Velas e o paredão construído em 1793
                                                                                                    (foto Paulo Nogueira)
                                                    
                                                         

                                                  Aspeto lateral do Forte do Guincho ou das Velas e o paredão construído em 1793
                                                                                                    (foto Paulo Nogueira)


    Aspeto de espaço circundante do paredão do Forte do Guincho ou das Velas
                                                                                                    (foto Paulo Nogueira)
 

                                                   Pormenores da construção e reconstruções do Forte do Guincho ou das Velas
                                                                                                  (fotos Paulo Nogueira)

 
                                           Um aspeto da vista do Forte do Guincho ou das Velas para o mar (foto Paulo Nogueira)
 

 
                          Uniformes do Regimento de Infantaria da Praça de Cascais e Forte do Guincho ou das Velas,
                                                 entre 1762 e 91 in Uniformes de Vários Regimentos séc. XVIII (arq. AHM-DIV)
 
                             
 
     Peça de artilheria de 9 libras idênticas às utilizadas no Forte do Guincho ou das Velas no séc. XVIII (arq. priv.)
                                                                                                          
 

                                                                      Figurinos de uniformes do antigo Regimento de Cascais e
                                                                                      Forte do Guincho ou das Velas em 1806,
                                                                     in Uniformes Militares, edição da Revista “Defesa Nacional”,
                                                                                desenho de Carlos Ribeiro, s.d. (arq. AHM-DIV)




                                         Aspeto do Forte do Guincho ou das Velas visto do mar em meados dos anos 60 (arq. priv.)



Acesso do paredão no Forte do Guincho ou das Velas e encosta da Serra de Sintra como fundo
(foto Rafael Direitinho)
 

Aspeto lateral do Forte do Guincho ou das Velas (foto Rafael Direitinho)
 
 

Vista aérea do Forte do Guincho ou das Velas (Google maps)
                                         






Texto:
Paulo Nogueira



Fontes e bibliografia:

LOURENÇO, Manuel Acácio Pereira - As fortalezas da Costa Marítima de Cascais,  Cascais, Câmara Municipal, 1964
MOREIRA, Rafael - A arquitetura militar. In HISTÓRIA da Arte em Portugal. Lisboa, Alfa,1988
Sítio da Câmara Municipal de Cascais
Sítio da Junta de Freguesia de Alcabideche
IPPAR




segunda-feira, 25 de abril de 2016

EFEMÉRIDES do dia 25 de abril




Dia da Liberdade em Portugal e Dia Africano de Luta Contra o Paludismo.
Santo do dia, São Marcos ou João Marcos evangelista (Cirene, Pentápolis, Líbia, 10 a.C. – Alexandria, Egito, 25 de abril de 68 d. C.), judeu de origem e de uma família cristã que sempre acolheu os primeiros cristãos em sua casa. Terá convivido e acompanhado Jesus quando criança, assim como mais tarde na sua paixão. É São Marcos quem, segundo a tradição, terá sido o autor dos Evangelhos a pedido dos seus fiéis romanos e segundo os ensinamentos de São Pedro que conheceu em pessoa. Foi pregador da sua Fé e fundador da igreja de Alexandria. Faz parte dos Setenta Discípulos sendo venerado por várias igrejas cristãs, dentro as quais a católica, a ortodoxa e a ortodoxa copta. Ainda segundo a tradição São Marcos foi martirizado enquanto celebrava o santo sacrifício da missa no dia de Páscoa. Mais tarde, as suas relíquias foram transladadas por mercadores italianos de Alexandria para Veneza, cidade que é sua guardiã na basílica de São Marcos e que a tomou como sua padroeira desde o ano de 828 d.C.. A igreja católica celebra o seu dia a 25 de abril dia da sua morte.
 
 
 

 

Em Portugal

 
1974 - Às 00:20, é transmitida a senha da Operação Fim do Regime, no programa Limite da Rádio Renascença: o tema "Grândola, Vila Morena", de José Afonso. Horas depois, a Escola Prática de Santarém, comandada por Salgueiro Maia, ocupa o Terreiro do Paço e, mais tarde, o Largo do Carmo. Ao fim da tarde, o presidente do Governo, Marcello Caetano, rende-se pondo fim ao regime autoritário do Estado Novo, vigente desde 1933.
 


1974 - A da primeira Lei da II República Portuguesa destitui o presidente Américo Thomaz e Marcello Caetano, dissolve a Assembleia Nacional e o Conselho de Estado.
 
1974 - No dia 25 de abril numa reunião no Quartel da Pontinha em Lisboa, os oficiais Vítor Alves, Franco Charais, Vítor Crespo e Costa Martins fazem prevalecer o programa do MFA perante António de Spínola e a recém-formada Junta de Salvação Nacional.

 

1975 - Eleições para a Assembleia Constituinte com uma taxa de participação de 91,7%. São as primeiras eleições livres, por sufrágio universal, sem constrangimento de estatuto social, nível de instrução ou sexo. O PS obtém 37,9% dos votos, o PPD 26,4%, o PCP 12,5%, o CDS 7,6%, o MDP-CDE 4,1% e a UDP 0,7%.



1976 - Eleições legislativas em Portugal. O PS obtém 35% dos votos, o PPD 24%, o CDS 15,9%, o PCP 14,6% e a UDP 1,7%.
 
1983 - Eleições legislativas em Portugal que dão a vitória ao PS.
 
1997 - É inaugurado o monumento ao 25 de abril, da autoria do escultor João Cutileiro, no Parque Eduardo VII, em Lisboa.

 

2004 - Idanha-a-Nova recebe o prémio da Associação Europeia para a Conservação do Património e da National Geographic, pela preservação do património geológico.
 
2007 - É inaugurado o designado Túnel do Marquês, em Lisboa, dois anos e meio depois da data prevista.

 
 
2007 - Entra em funcionamento o centro de atendimento Saúde 24 – 808 24 24 24.
 
2009 - Morre o poeta angolano Tomaz Jorge (Luanda, Angola, 26 de maio de 1928 - Lisboa, 25 de abril de 2009), aos 81 anos. Integrou em 1950 o movimento literário nacionalista "Vamos Descobrir Angola", ao lado de outros intelectuais como Agostinho Neto, António Jacinto e Viriato da Cruz, motivo que o levou à cadeia várias vezes.

2010 - O Benfica conquista, pela primeira vez na sua história, a Taça UEFA de futsal, ao bater na final os detentores do título, os espanhóis do Interviu Madrid, por 3-2, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa.







 

No Mundo
 

1607 - Batalha de Gibraltar, um dos episódios da designada Guerra dos Oitenta Anos, onde a frota holandesa destrói a armada espanhola.

 

1719 - É publicado no Reino Unido o romance "Robinson Crusoe" de Daniel Defoe.
 
1792 - É composta La Marseillaise (hino nacional de França), por Claude Joseph Rouget de Lisle.
 

 
1859 - São iniciadas as obras para a abertura do Canal do Suez pela Companhia Universal do Canal Marítimo do Suez.
 
1874 - Nasceu o italiano Guglielmo Marconi (Bolonha, Itália, 25 de abril de 1874 – Roma, Itália, 20 de julho de 1937), virá a ser o inventor do primeiro sistema de telegrafia sem fios em 1896, designado por TSF.
 
 
1920 - O Comando Supremo Aliado, resultante dos vencedores da I Grande Guerra, atribui ao Reino Unido os mandatos da Mesopotâmia e Palestina, e à França os da Síria e do Líbano.
 
1925 - Nasce Janete Clair, de seu nome Janete Stocco Emmer Dias Gomes (Conquista, Estado de Minas Gerais, Brasil, 25 de abril de 1925 - Rio de Janeiro, Brasil, 16 de novembro de 1983), virá a ser uma célebre escritora brasileira. Foi autora de folhetins para a rádio e televisão como "O Astro", "Selva de Pedra", "Pai Herói", entre muitos outros êxitos.

 
 
1945 - Delegados de 45 países iniciam a conferência de São Francisco, nos EUA, que levaria à assinatura da Carta das Nações Unidas.

1953 - Num artigo da revista norte-americana Nature é anunciada a descoberta da estrutura do ácido desoxirribonucleico ou DNA por Francis Crick e James Watson.

 

1978 - A África do Sul aceita o plano ocidental de independência do Sudoeste Africano, a Namíbia, com base num governo de maioria negra.

1980 - O presidente dos EUA James Carter comunica o malogro da operação militar para a libertação dos reféns norte-americanos na sua embaixada no Irão, realizada na véspera. Desta tentativa falhada resultou a morte de oito soldados norte-americanos, a perda de dois helicópteros e um avião.

1983 - O dirigente sindical polaco Lech Walesa regressa ao trabalho nos estaleiros de Gdansk.
 

1990 - Os astronautas do vaivém espacial norte-americano Discovery colocam em órbita o telescópio Hubble.



1992 - Extremistas islâmicos tomam a capital do Afeganistão, Kabul.
 
1995 - Morre a atriz, dançarina e cantora  norte-americana Ginger Rogers, de se nome Virgínia Katherine McNath (Independence, Missouri, EUA, 16 de julho de 1911 – Rancho Mirage, Califórnia, EUA, 25 de abril de 1995), aos 83 anos. Conheceu e trabalhou com Fred Astaire na década de 1930 com quem fez dez filmes musicais, tornando-se uma das suas mais célebres parceiras. Trabalhou em Hollywood até 1971, tendo participado em quase 100 filmes entre musicais, comédias e dramas.
 


1996 - O Governo israelita retira do programa a cláusula que se opunha à criação de um Estado palestiniano.
 
2004 - João Paulo II beatifica Alexandrina da Costa, a Santa de Balasar.
 

 
2005 - Roménia e Bulgária assinam o Tratado de Adesão à União Europeia. Alargamento concretizar-se-á a 01 de janeiro de 2007.
 
2007 - O pintor sevilhano Luís Gordillo é galardoado com o Prémio Velázquez de Artes Plásticas, atribuído pelo Governo espanhol.

2007 - Morre Alan James Ball Jr. (Farmworth, Reino Unido, 12 de maio de 1945 - Hampshire, Reino Unido, 25 de abril de 2007), aos 61 anos. Foi antigo futebolista inglês, jogador da seleção de Inglaterra que venceu o Mundial de 1966.



2008 - A União Europeia reafirma em Pequim que o Tibete faz parte de China, indicou o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, à saída de um encontro com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao.
 
2009 - Gripe A (H1N1). A OMS alerta para o "potencial pandémico" de novo vírus da gripe e recomenda aumento da vigilância. As autoridades sanitárias dos Estados Unidos admitem que o vírus já não pode ser contido.
 
2015 - Na Guatemala, milhares de manifestantes vão para as ruas exigindo a renúncia do presidente da República Otto Pérez Molina e da sua vice presidente Roxana Baldetti, sob denúncia dos alegados desvios de cerca de 130 milhões de dólares.
 
 
 
 
 
 
 
 
Texto:
Paulo Nogueira


sábado, 9 de abril de 2016

EFEMÉRIDES do dia 9 de abril


Dia do Combatente.
Santo do dia, Santa Maria Cléofas (séc. I a.C., Galileia). Maria era, segundo pesquisadores, tia de Jesus, irmã da virgem Maria e esposa de Cléofas Alfeu, irmão de São José. Maria foi mãe do apóstolo Tiago Menor. Ela uniu-se à mãe de Jesus também na dor do Calvário, fazendo parte das três Marias, merecendo ser uma das testemunhas da ressurreição de Jesus. Assim, Maria de Cléofas tornou-se uma das porta-vozes do cumprimento da profecia. Considerada a padroeira das tias e parentes, o seu dia é celebrado pela igreja católica no dia 9 de abril.



Em Portugal


1918 - Na I Grande Guerra Mundial 1914-18, o Corpo Expedicionário Português (CEP) é destroçado na Batalha de La Lys, em França. O Corpo Expedicionário Português (CEP) vivia dias de horror e inferno, do dia 9 para 10 de Abril daquele ano, na Batalha de La Lys, quando a 2ª Divisão do CEP constituída por cerca de 20 000 homens, dos quais somente 15 000 estavam nas primeiras linhas, comandados pelo general Gomes da Costa, retirava dos campos de batalha para ser substituída, sofre um dos maiores bombardeamentos do exército alemão seguido de um ataque em massa alemão com grande resistência por parte dos portugueses, o CEP acaba por desaparecer.



 1942 - Nasce Adriano Correia de Oliveira (Porto, Portugal, 9 de abril de 1942 - Avintes, Vila Nova de Gaia, Portugal, 16 de outubro de 1982). Virá a ser músico e compositor, um dos mais importantes intérpretes do fado de Coimbra e do movimento "baladeiro" de resistência à ditadura portuguesa, nos anos de 1960-70.



1974 - Atentado das Brigadas Revolucionárias contra o navio Niassa, símbolo da política colonialista da ditadura portuguesa.

1981 - O relatório sobre o desastre aéreo de Camarate, que causou a morte do primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro, assegura a inexistência de "intenção criminosa".
 
1996 - Morre o ator Carlos Daniel (Lisboa, Portugal, 11 de maio de 1952 - Lisboa, Portugal, 9 de abril de 1996), aos 43 anos. Ator do Teatro Nacional D. Maria II.
 

 

2005 - É inaugurada a Bedeteca de Beja, na Casa da Cultura.

2007 - A arquiteta Sílvia Benedito vence a 2ª edição do Prémio Fernando Távora, pelo projeto "Quadrícula Emocional: Um Urbanismo Híbrido entre Natureza e Arquitetura nas Cidades Atlânticas Portuguesas do Século XVI".
 


2008 - Morre a fadista portuguesa Flora Pereira (Lisboa 9 de abril de 1929 - Lisboa, 9 de abril de 2008), aos 79 anos.

2008 - Os ventos fortes e a chuva verificados no distrito de Santarém provocam seis feridos ligeiros, quedas de árvores, diversas estradas cortadas e dificuldades de acesso a algumas localidades, segundo fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.


 


No Mundo


1413 - Henrique V é coroado rei de Inglaterra.
 


1553 - Morre o escritor francês François Rabelais (Chinon, França, 4 de fevereiro de 1494 - Paris, França, 9 de abril de 1553) aos 59 anos. Foi padre, médico e escritor do período do Renascimento francês, que usou também o pseudónimo Alcofribas Nasier, um anagrama do seu verdadeiro nome. Ficaram para a posteridade obras suas cómicas como "Pantagruel" e "Gargântua".
 


1626 - Morre o filósofo inglês Francis Bacon (Strand, Londres, Reino Unido, 22 de janeiro de 1561 - Highgate, Reino Unido, 9 de abril de 1626), aos 65 anos. Considerado o fundador da ciência moderna, foi político, filósofo e ensaísta. Foi feito barão de Verulam e também visconde de Saint Alban.

1821 - Nasce o poeta francês Charles Baudelaire (Paris, França, 9 de abril de 1821 - Paris, França 31 de agosto de 1867). Virá a ser poeta e um teórico da arte francesa. Considerado um dos precursores do simbolismo e reconhecido internacionalmente como fundador da tradição moderna em poesia. A sua obra teórica influenciou também as artes plásticas do século XIX.
 


1860 - O francês Édouard-Léon Scott de Martinville faz a primeira gravação conhecida de uma voz humana audível pela sua maquina chamada fonoautógrafo.
 


1865 - Termina a Guerra Civil nos EUA, com a rendição do general Confederado Robert E. Lee ao general da União Ulysses S. Grant.
 
1872 - Nasce Leon Blum (Paris, França, 9 de abril de 1872 - Jouy-en-Josas, França, 30 de março de 1950). Virá a ser o primeiro judeu e socialista a liderar o Governo francês (1936-37). Ocupou o cargo de primeiro ministro da França, foi dirigente da Secção Francesa da Internacional Operária e presidente do Conselho de ministros francês por 3 vezes. Foi ele também o responsável pela fixação da jornada de trabalho entre outros direitos dos trabalhadores.
 


1903 - Nasce o endocrinologista norte-americano Gregory Pincus (Woodbine, Nova Jérsia, EUA, 9 de abril de 1903 - Northborough, Massachusetts, EUA, 22 de agosto de 1967). Virá a ser biólogo, pesquisador e o co-inventor da pílula contracetiva.
 
1916 - Há 100 anos durante a I Grande Guerra Mundial dá-se a terceira ofensiva alemã às tropas francesas em Verdun na Frente Ocidental.
 


1928 - O Islamismo deixa de ser a religião oficial na Turquia.
 
1940 - Durante a II Guerra Mundial, as forças alemãs de Hitler invadem a Noruega e a Dinamarca pelas 4h 15 da madrugada. Esta operação que foi designada de Operação Weserübung. Teve como suposto objetivo esta invasão, proteger os dois países de um possível ataque da França e Inglaterra.



1942 - Durante a II Guerra Mundial dá-se a rendição das forças norte-americanas do general Jonathan Wainwright aos japoneses.

1943 - Durante o holocausto da II Guerra Mundial, é suspenso o extermínio de judeus deportados no campo de concentração de Chelmno, na Polónia. Será retomado exatamente um ano depois.
 
1959 - A NASA apresenta os sete primeiros astronautas, que irão concretizar o projeto Apollo: Scott Carpenter, Gordon Cooper, John Glenn, Gus Grissom, Wally Schirra, Alan Shepard e Donald Slayton.



1963 - Winston Churchill torna-se cidadão honorário dos EUA.

1966 - O Reino Unido pressiona o Conselho de Segurança da ONU para impedir o transporte de petróleo para a Rodésia.

1977 - É legalizado o Partido Comunista Espanhol (PCE), depois de 38 anos de clandestinidade.
 


1991 - O Soviete Supremo da Geórgia declara unilateralmente a independência da república.
 
1992 - Condenação do ex-presidente do Panamá Manuel Noriega, por tráfico de droga, num tribunal da Florida, EUA.
 


2003 - Durante a Guerra do Iraque as forças norte-americanas tomam Bagdad.
 
2003 - Morre o escultor basco Jorge Oteiza (Orio, Guipúzcoa, Espanha, 21 de outubro de 1908 - San Sebastián, Guipúzcoa, Espanha, 9 de abril de 2003), aos 94 anos. Foi escritor, desenhador, pintor e escultor, considerado um dos expoentes máximos da Escola Basca de Escultura. As suas primeiras obras escultóricas foram fortemente influenciadas pelo cubismo e o primitivismo.
 
2005 - Casam Carlos de Gales com Camilla Parker Bowles.
 

 
2006 - O arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha é distinguido com o Prémio Pritzker, o "Nobel" da Arquitetura.
 
2007 - O presidente russo, Vladimir Putin, atribui a Ordem da Amizade ao cidadão português Carlos Manuel Cláudio, diretor da empresa italiana Indesit International na Rússia.
 
2007 - A Rússia anuncia a construção da primeira central nuclear flutuante do mundo.
 


2007 - Morre Egon Bondy (Praga, República Checa, 20 de janeiro de 1930 - Bratislava, Eslováquia, 9 de abril de 2007), aos 77 anos. Foi escritor, poeta e filósofo checo.

2008 - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordena a nacionalização da Ternium-Sidor (Siderúrgica do Orinoco), a maior empresa de aço do país, propriedade do grupo italo-argentino Techint.
 
2008 - Morre o repórter fotográfico norte-americano Burt Glinn (Pittsburgh, Pennsylvania, EUA, 23 de julho de 1925 - Southampton, Nova Iorque, EUA, 9 de abril de 2008), aos 83 anos. De entre os seus vários trabalhos fotográficos, retratou a Guerra-fria e fez a cobertura da entrada de Fidel Castro em Havana em janeiro de 1959.












Texto:
Paulo Nogueira